A robusta base aliada de Wellington

Ô coisa boa é dinheiro! O grande Nelson Rodrigues já dizia que: " O dinheiro é tão bom que compra até amor verdadeiro ".

Transpondo essa verdade Rodriguiana para o nosso tempo e também para as qustões políticas locais , assistimos como o dinheiro dá o tom dos discursos de encomenda nos meios de comunicação que insistem em tentar passar a patuleia, que o governador Wellington Dias ainda conta com uma robusta base governista, que o reconduzirá a mais um mandato de governador . 

A verdade dos fatos indicam com uma clareza solar, que o senador Ciro Nogueira, avalista maior do fragilíssimo governo Temer, principal pilar de sustentação de uma administração sem uma base sólida no Congresso Nacional, ele Temer, vêm se sustentando num aglomerado de deputados e senadores denominado de Centrão, que tem em Ciro Nogueira a sua maior expressão, dada a influência dele Ciro Nogueira, em parte considerável do Orçamento da República. 

Aqui no Estado do Piauí, Ciro Nogueira pode se dar ao luxo de dizer o que bem entende, dependendo das suas conveniências pessoais , elaborando as coligações ao seu bel-prazer, já que nas circunstâncias atuais, tanto Wellington Dias como Firmino Filho, são reféns desse poder que Ciro Nogueira detêm em Brasília, poder este,  que dá o rumo sobre o futuro das administrações  de Wellinton e Firmino.

Nunca, em tempo algum, na história recente do Estado do Piauí, um político conseguiu enfeixar em suas mãos , tanto poder de mando como o senador Ciro Nogueira.   

Ter sobre o seu domínio, pessoal e direto, um super Ministério como a Caixa Econômica Federal, por onde flui todos os recursos da União para obras e serviços, além do Ministério da Saúde, maior orçamento da República, ambos de porteira fechada e ainda dá as cartas no Ministério das Cidades-a indicação de Washington Bonfim para secretário executivo do Ministério das Cidades,  é a  prova cabal do que afirmamos- ministério este, financiador de obras e serviços em todo o Brasil, sendo que, a problemática da sucessão política no Estado do Piauí, ele Ciro,  a conduz da maneira mais dissimulada possível, pois tem plena convicção de que toda a classe política local, aguarda a sua definição, cabendo aos coadjuvantes somente, esperar a sua tomada de dedisão.

Base aliada robusta, como muitos dizem, quem a detêm neste instante na política piauiense, chama-se o senador e presidente nacional dos Progressistas , Ciro Nogueira 

Enquanto junho de 2018 não chega,  haja especulação dos arautos de sempre. 

É isso.

PS: A possibilidade do enrolado até o último fio de cabelo na Lava Jato   Romero Jucá, presidente nacional do PMDB, respaldado pelo presidente Temer, jogar o PMDB estadual no colo de João Henrique Sousa, é real.

João Henrique quer voltar a ter um mandato eletivo,  estribado que está numa das maiores cinecuras deste país, a  presidencia do Conselho Nacional do SESI- Serviço Social da Indústria. João Henrique tem em mãos um poder bélico considerável. Deputado Federal ou Senador, deve ser a sua meta. Diz querer postular uma candidatura ao governo do Estado, mais tem certeza que não tem cacife para tal pretenção, mas trabalha esse "desejo"  como uma espécie de barganha a ser explicitada quando do fechamento das coligações.

Além do que, a figura de maior expressão do PMDB estadual até aqui, era o deputado federal Marcelo Castro, que,  ao se ausentar nas duas votações no plenário da Câmara que livraram Temer de ser processado, ele Marcelo Castro, preferiu ficar ao lado de Wellington Dias, que lhe assegurou a permanência de  um filho seu, ocupando a direção geral do DER Departamento de Estradas e Rodagens. Tudo a ver.