Timonense com epilepsia vai pedir remédio ao prefeito e sai do gabinete algemado direto para DP

O paciente confirma que foi a prefeitura, mas ao contrário do BO, sofreu agressão primeiro

Jorge Gabriel sendo conduzido (algemado) pelos Guardas do Gabinete
Jorge Gabriel sendo conduzido (algemado) pelos Guardas do Gabinete
Jorge mostrando as marcas das quedas com as convulsões por falta do remédio
Jorge mostrando as marcas das quedas com as convulsões por falta do remédio

O timonense Jorge Gabriel Vanderlei, de 25 anos, morador da Rua 03, Parque Piauí, foi algemado e preso hoje, 13, pela manhã, pela Guarda Municipal de Timon quando tentou falar com o prefeito Luciano Leitoa em seu gabinete na prefeitura.

Há pouco menos de um mês, conforme receituário de controle especial, que indica que o paciente toma remédios controlados, que Jorge Gabriel vem tentando, sem sucesso receber remédios prescritos pelos médicos para o controle de epilepsia e outros distúrbios neurológicos dos quais é acometido, sem sucesso. Hoje, por decisão própria, e diante da inépcia do atendimento, ele resolveu procurar o prefeito da cidade, que não se encontrava no gabinete, para uma solução de seu problema.

Jorge, diante do descontrole emocional e nervoso provocado pela falta do medicamento, acabou se envolvendo em discussão com o guarda municipal Raimundo Francisco da Silva Neto, que segundo Boletim de Ocorrência, lavrado pela própria GMT, que acusa-o de tê-lo agredido verbal e fisicamente e pelo fato de estar muito exaltado foi necessário o uso de algemas para contê-lo, diz a narrativa do guarda municipal.

Jorge diz que precisa do remédio senão vai morrer de quedas

Jorge confirmou a versão de que foi à sede da prefeitura, mas atendendo recomendação do Caps e chegando lá informaram que o prefeito Luciano Leitoa não estava atendendo: “Ai uma pessoa da guarda me puxou como se eu fosse um bicho... Viu e eu preciso desse remédio, senão eu dou epilepsia e aí eu morro. Olhem como está meu rosto, minha cara, só de queda” disse Jorge mostrando as partes atingidas pelas quedas provocadas pelas convulsões que a doença causa quando deixa de tomar o medicamento.

“Que prefeito é esse de Timon. Hein!!!”, reclamou Jorge Gabriel.